Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Barragem de Fridão

No passado sábado (19 de Abril) realizou-se no Salão Nobre dos Paços do Concelho uma sessão pública para discussão sobre a hipotética barragem de Fridão prevista no âmbito do Plano Nacional de Barragens.

Nesta sessão palestraram os Profs. Hélder Leite e Rui Cortes bem como a Eng. Berta Estevinho. O nosso grupo não quis deixar de comparecer a uma iniciativa deste género e aqui ficam as conclusões retiradas dos esclarecimentos prestados.

 

 

PALESTRA SOBRE A HIPOTÉTICA BARRAGEM DE FRIDÃO

Conclusões

Da assinatura do Protocolo de Quioto surgiram algumas medidas em Portugal para reduzir a emissão de gases causadores do efeito de estufa para conseguir cumprir as metas estabelecidas.

Um dos planos que nasceu (ou renasceu) foi o do aproveitamento hidroeléctrico do rio Tâmega que previa a construção de 3 barragens, uma das quais em Fridão (Amarante) a cerca de 6 km do centro histórico.

            Muitos foram os estudos de impacte ambiental e alguns deles anunciam colapsos nos ecossistemas na zona circundante à hipotética barragem, que é considerada zona sensível.

            Esta barragem surge num plano de medidas de combate à dependência económica de Portugal que necessita de importar grande fatia da matéria-prima para a produção de energia, nomeadamente petróleo e de carvão para as centrais térmicas. Pensa-se também que com estas medidas será possível atingir a meta proposta pelo governo, que é produzir 45% da sua energia através de fontes de energia renovável e também cumprir os objectivos do Protocolo de Quioto não se arriscando a ter de pagar multas.

            Contudo, parece que este plano de acção só se preocupa com a resolução do problema energético nacional e não com a estabilidade e qualidade de vida das cidades e habitantes das zonas em que se vão instalar as barragens.

 

A construção da barragem de Fridão acarreta vários problemas ambientais devido à zona em que hipoteticamente será construída. O local envolvente à barragem é sobretudo zona florestal e agrícola, que são terras ricas em nitratos e fosfatos devido à utilização de fertilizantes agrícolas. Por processos de lixiviação estes químicos afluirão ao rio criando habitats propícios.

            O crescimento destas algas denomina-se por eutrofização e despoleta crescimento de umas algas superficiais na albufeira, algumas delas tóxicas que acentuarão o grave problema que o rio já traz de Espanha, a poluição da sua água. Consequências gravíssimas no ecossistema, quebrando o equilíbrio das espécies.

A existência de uma barreira de algas impede que a luz solar atravesse para águas profundas impedindo a fotossíntese nas plantas aquáticas e consequentemente a água empobrece-se em oxigénio. Esta desoxigenação da água abalará certamente a fauna e flora aquática.

 

 

 

 

 

Outro problema preso também à construção da barragem e à eutrofização das águas é a estratificação térmica. Dependendo da altura da barragem e da zona de captação da água para a queda surge a problemática dessa água ser pouco oxigenada e volta-se ao problema da poluição.

 

 

 

 

Amarante, muito conhecida pelo seu centro histórico e muito sustentada no turismo ficará sem margem de dúvida abalada pela construção da barragem. A jusante da barragem (zona centro da cidade), devido à diminuição do caudal, o rio poderá ter um mau aspecto, as águas ganharão cores invulgares e poderão existir maus odores que denegrirão a imagem da cidade aos visitantes e diminuir a qualidade de vida dos que nela vivem.

            Para a nossa cidade, considerada uma das mais verdes do país, o impacte desta infra-estrutura destruirá a sustentabilidade dos ecossistemas e irá fragilizar espécies características da zona.

             A montante da barragem aparece o problema da inundação das margens que destruirá o habitat de algumas espécies e fala-se mesmo, devido à envergadura da barragem, de ter de se desalojar algumas zonas habitacionais.

            A nível estético também trará consequências preocupantes, dado que a estrutura de aproximadamente 100 metros de altura (a altura da barragem ainda não esta totalmente definida, segundo sabemos, mas oscila entre 90 e 110 metros) não se enquadra na morfologia da região, o que enegrecerá a imagem da cidade tão dependente da sua zona centro.

 

sentimo-nos: interventivos

publicado por amarante_csg às 17:15
link do post | comentar | favorito

.Quem somos

Alunos do Colégio de São Gonçalo, 12º ano, de Ciências e Tecnologias a participar no Concurso Nacional de ideias "Cidades Criativas" - reflexão e estudo sobre as cidades portuguesas . Helena Melo, Ricardo Silva, Marlene Ribeiro, Rita Magalhães, Sara Carvalho

.Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. "Na era da criatividade, ...

. Exposição Cidades Criativ...

. Exposição Cidades Criativ...

. Exposição Cidades Criativ...

. Editorial "Jornal de Amar...

. O nosso projecto em númer...

. "Diário dos cinco/CC" - C...

. Crónica 2.6.08 - "Diário ...

. Crónica 26.5.08 - "Diário...

. Nós estivemos lá!

.tags

. todas as tags

.links

.arquivos

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.posts recentes

. "Na era da criatividade, ...

. Exposição Cidades Criativ...

. Exposição Cidades Criativ...

. Exposição Cidades Criativ...

. Editorial "Jornal de Amar...

. O nosso projecto em númer...

. "Diário dos cinco/CC" - C...

. Crónica 2.6.08 - "Diário ...

. Crónica 26.5.08 - "Diário...

. Nós estivemos lá!

.pesquisar